Posts by daviddawson462742281

Walking with Jesus learning to be like Him. Human Development Consultant. BA Humanities University of the Nations, MA Global Leadership Fuller Theological Seminary. Married to Kati and dad to Emily, Gabriel and Laura. Love surfing, cooking, expat life, jazz.

Why Don’t They Just… (Take the Easy Route)

It seems basic to the human condition that most of us like to talk about other people’s lives. My wife and I often talk about the members of our family, our friends and people we’re getting to know at church and in our neighbourhood. It seems especially fascinating to us to reflect on the major life decisions other people make. Why did they do that? Why did they choose that… carrier, spouse, place to live, hobbies, etc.

This is a huge subject, but I want to focus on how other people’s decisions seem so impractical to us. To us it often seems that a simpler more fruitful path is evident if that person could only see their life the way we do. But if I look at my wife and I, our major life decisions ae often looked like jumping off a cliff, cutting our nose off to spite our face, or shooting ourselves in te foot. Just wen tings were getting stable we end up changing things up, ripping up our garden patch, and heading off into another great unknown.

I realize that to a large extent tis is the case due to my wife and my choice of career as missionaries. However I believe that the risky nature of our dreams and endeavours is indicative of the passion of the human heart for more. It is natural for all of us to want more from life, to live it to the fullest. After all, time is short. The Bible says so.

“Teach us to number our days, that we may gain a heart of wisdom” (Ps. 90:12).

“Show me, LORD, my life’s end and the number of my days; let me know how fleeting my life is” (Ps. 39:4)

“He remembered that they were but flesh, a passing breeze that does not return” (Ps. 78:39)

Often in times of difficulty my wife and I reflect on how we got ourselves into a certain situation. What were we thinking? Why did we bring this upon ourselves and our children? Of course, at times we have to repent because we made presumptuous decisions overestimating our ability to deal with whatever life could throw our way. If notices that as the years go by – I’m now 45 – I have an increasingly sober notion of te limits of my mental, emotional and physical resistance… of just how much I can bear without some part of my life blowing a gasket.

So it’s true tat sometimes we hate off more than we can chew. And sometimes we took burdens upon ourselves we shouldn’t have because God didn’t direct us that way. And in these cases we can’t expect for God to spare us any discomfort and loss, although thankfully He is amazingly gracious to bail us out time after time.

But my point here is that God has put a wild and ambitious spirit in all of us as part of being created in His image. Certainly this rambunctious energy was necessary for us to fulfil the call:

“Be fruitful and increase in number; fill the earth and subdue it. Rule over the fish in the sea and the birds in the sky and over every living creature that moves on the ground” (Gen. 1:28)

So if you find yourself in discomfort, ask the Lord if it’s the result of bold decisions you made to follow te dreams He put in your heart. If so, I believe the word of the Lord to us is what he said to Joshua: “Have I not commanded you? Be strong and courageous. Do not be afraid; do not be discouraged, for the Lord your God will be with you wherever you go.” (Jos. 1:9).

Encouraging What’s Best in Our Loved Ones

The apostle Paul encouraged us, “He who began a good work in you will perfect it until the day of Jesus Christ” (Phil. 1:6).  Paul also taught the early church to “Encourage one another to good works” (He. 10:24) and to “Edify one another” (I Tess. 5:11).  But recently I have felt convicted by the Holy Spirit that I haven’t been encouraging my loved ones the way the Bible teaches us to.  Many times I complain and discourage those who are closest to me in relation to their God-given gifts.  

For example my youngest daughter has a strong personality.  She is extraordinarily perceptive of what is happening around her and often feels that she needs to react to things I consider “none of her business”.  This past Sunday our family was at church and there was a minor incident with a man who was visiting.  I won’t go into details but the man had an accident that was embarrassing for him.  He appeared to have some sort of mental or physical disability.  My daughter alerted me to what had happened and asked if we should do something.  I felt embarrassed for the man and looked around to see if he had come with someone.  My thinking is that it would be more embarrassing for a stranger to help him in that situation.  I saw that a few members of the church leadership were nearby and that they would shortly realize what had happened.  My other two children were already calling me from outside the church wanting to head home for lunch.  In short, these were my reasonings for telling my daughter that we shouldn’t get involved.   Looking back I think my attitude was selfish and I was just wanting to avoid any inconvenience to myself.  

What’s worse though, and this is the theme of this text, is that I discouraged the positive impulse of my daughter.  And this reaction was a manifestation of my daughter’s God-given gift of leadership.  

My prayer for you and I is that the Lord give us the sensitivity to recognise our loved ones’ best qualities.  Lord, help us to encourage our spouses, our children, our brothers and sisters, etc.. to increasingly (not “diminishingly”) express their gifts.  Father teach us to do so, even when these gifts sometimes annoy us and spark critical, unsupportive attitudes.  

Quando é bom não estar “Nem aí”

Salmo 131: “1 Senhor, o meu coração não é orgulhoso e os meus olhos não são arrogantes. Não me envolvo com coisas grandiosas nem maravilhosas demais para mim.  2 De fato, acalmei e tranqüilizei a minha alma. Sou como uma criança recém-amamentada por sua mãe; a minha alma é como essa criança. 3 Ponha a sua esperança no Senhor, ó Israel, desde agora e para sempre!

As vezes pessoas chegam a momentos em que desistem de si mesmos, dos seus sonhos, e do chamado de Deus para as suas vidas.  Quando nos vemos nesta situação, falamos coisas como “Não estou nem aí… com o que as pessoas pensam de mim… com o padrão de ‘sucesso’ deste mundo (ou da igreja)… com o que vai ser da minha vida”, etc.  

É claro que essa é uma atitude bastante perigosa porque expressa apatia, indiferença e egoísmo.  Mas as vezes um cristão pode sentir algo semelhante a isso por motivos bons.  Aos 45 anos há muitas coisas que já foram importantes para mim em outras épocas mas agora não são.  

Por exemplo, ao longo dos últimos 28 anos que sou missionário eu tenho trabalhado com vários ministérios e até “movimentos” a nível internacional.  Fazer parte de uma comunidade que está trazendo o Reino de Deus no mundo todo através de uma variedade imensa de projetos é muito empolgante.  De fato, eu cresci no contexto de missões cercado por pessoas de todas as nações e culturas.  Eu fui criado num contexto onde eu sempre ouvia jovens falando sobre transformar o mundo e a volta iminente de Cristo.  

Mas agora eu já não sou tão levado por novas ondas de pensamento ou ativismo cristãos.  Eu ainda tenho paixão para servir ao Senhor, mas agora entendo que os relacionamentos duradouros são o que mais importa.  É uma honra ser convidado para falar numa conferência ou alcançar uma posição de liderança num ministério grande.  Porém, você pode experimentar estas coisas e ainda continua vazio por dentro.  O essencial é o relacionamento com o Senhor Jesus e com o pequeno grupo de pessoas que formam a sua família espiritual.  

Neste sentido eu posso falar que não importo mais, mas não me refiro ao meu chamado e a grandeza da missão de Deus.  Eu oro que o Senhor me ajude a nunca perder a minha paixão por estas coisas.  Eu sei que um cristão jamais deve desistir de si mesmo, dos seus sonhos, e do chamado de Deus para a sua vida.  Porém, eu creio que parte da maturidade em Cristo é não se preocupar tanto com as coisas, “Grandiosas” e “Maravilhosas demais” para ti (Salmo 131:1).  Assim como Salomão disse que não há nada melhor na vida do que “Comer, beber e encontrar prazer em seu trabalho” (Ecl. 2:24).  

É claro que a realização do discípulo de Cristo não está na glutonaria, consumismo e vanglória.  Mas entendemos as palavras de Salomão à luz da palavras de Paulo: “A piedade com contentamento é grande fonte de lucro,…por isso, tendo o que comer e com que vestir-nos, estejamos com isso satisfeitos” (I Tm. 6:6-8).  

Amados em Cristo, o meu encorajamento a vocês e a mim mesmo é o seguinte.  Vamos deixar de lado toda a vanglória humana e viver só para o galardão do servo fiel.  Se tão somente assim fizermos pelo dependência do Espírito Santo, um dia receberemos um galardão incomparável.  E não só no futuro, mas agora mesmo, se aprendermos a pensar assim… nós já teremos e temos a vida eterna que Jesus prometeu.  

Practices of Self-discipline are a Celebration of Life.

Clique aqui para português

In my mid-40s I’ve become more self-disciplined about certain areas like my diet, exercise and sleep than in other seasons of my life. Or maybe I feel like I’m more disciplined about these areas because it takes a greater force of will than it did when I was 25 or 35.

The strange thing about when I’m exercising is that I find myself thinking how good it is to not be exercising. I look at the clock over and over thinking, “I only have 30 minutes left… I only have 15 minutes left”. But then as soon as I’m done working out my mind is almost immediately consumed buy the worries of that day. I say almost immediately because there are those 30 seconds to 2 minutes that perhaps I’m able to live in the moment and celebrate the task accomplished. One more day, one more getting up early, one more exercise time completed. But the

satisfaction doesn’t last long.

Of course when we fulfil a daily discipline we’ve set for ourselves – perhaps Bible reading or practicing an instrument – there is the satisfaction that we did our best that day. We kept to the plan and if we keep doing that consistently we can expect real progress.

Nevertheless I find that I’m always looking for new mental games to play with myself to keep committed to my disciplines. Recently I’ve been trying to consciously acknowledge that whatever I’m working towards is by the power of the Spirit, especially if the goal I’m reaching for has a selfish nature. By selfish I mean goals connected to the development of my own strength, physical appearance, artistic skill or intellectual knowledge. Disciplines aimed at these types of goals are narcissistic by nature and I need to constantly remind myself that I want to work towards these goals by the power of the Spirit of for His glory.

Recently I felt the Holy Spirit speak to me that personal discipline is an act of hope in the opportunity of life, that is, future opportunity. Lethargy and self- indulgence, by contrast, are an expression of the desire to enjoy present opportunity of life. But when we cultivate practices of development it is an expression of expectation of future rewards. Maybe for someone who doesn’t have the future hope of Christ these same practices are focused on fear. The fear of death, for example, would seem to propel a person who doesn’t have the hope of the future Kingdom of Christ. A fear that would push the person who lives autonomous from God to enjoy life’s pleasures to the maximum while they last… because this is the only real value one can attain.

But for the Christian, seeking self-development – or any kind of development (serving others, for example) – expresses a hope in the continued and growing

opportunity of life. King Solomon said, “This is the evil in everything that happens under the sun: The same destiny overtakes all. The hearts of people, moreover, are full of evil and there is madness in their hearts while they live, and afterward they join the dead. 4 Anyone who is among the living has hope—even a live dog is better off than a dead lion! For the living know that they will die, but the dead know nothing; they have no further reward, and even their name is forgotten” (Ecc. 9:3-5).

I’m so thankful that God can redeem even our most selfish and fear-driven drive towards achievement and vanity. The Lord has gifted us with creativity and intelligence by making us in His image. He wants us to work towards improvement of our gifts and to build towards the continued fulfilment of our calling.

My prayer for you and myself is that the Lord continue to teach us to seek the flourishing of our own lives and

everything around us. I pray that Jesus redeem self-discipline in our lives as a manifestation of hope in the future, not the fear that time is running out.

Manter Práticas de Desenvolvimento Próprio é Celebrar a Vida

Com os meus 40 e tantos anos eu tenho me esforçado a cuidar da minha saúde – a dieta, exercício físico, sono – mais do que nas outras fases da minha vida.  Ou talvez eu sinto que estou me empenhando mais agora porque nesta altura isso requer uma força de vontade maior do que quando eu era mais jovem. 

Quando eu estiver fazendo os meus treinos eu tento usar vários truques mentais para não ficar almejando a hora de acabar.  A pior coisa é ficar olhando para o relógio pensando, “Só falta 30 minutos… agora só mais 15”, etc.  Eu fico imaginando como será maravilhoso quando eu puder descansar, quando eu posso sair daquela fornalha de sofrimento (que exagero, os meus treinos não são tão intensos assim).  Mas assim que eu terminar o treino a sensação de satisfação dura muito pouco.  Dentro de 5 minutos eu já estou pensando nas tarefas do restante do dia e que já estou atrasado se eu quiser resolver tudo.  Mas antes disso, há aqueles poucos doces minutos em que eu posso curtir a sensação da tarefa concluída e do bom hábito mantido. 

É claro que quando nós cumprimos uma meta nossa – por exemplo a leitura bíblica ou tocar um instrumento – há a satisfação de que fizemos o nosso melhor aquele dia.  Nós fomos fieis ao plano e se continuarmos com consistência podemos esperar progresso real no futuro.  

Apesar disso, eu vejo que estou sempre procurando novos “jogos” mentais para me ajudar a manter o compromisso com as disciplinas que quero manter.  Recentemente eu tenho tentado reconhecer que estou buscando desenvolvimento pelo poder do Espírito Santo, não a minha carne.  Isso me ajuda a evitar a tentação do egoísmo e vaidade que sempre vem quando procuramos crescimento como indivíduos.  Querer melhorar a nossa aparência física, habilidade artística ou conhecimento intelectual pode ser motivado pelo narcisismo.  Mas a Bíblia nos diz que a ambição pessoal não é ruim por natureza (I Tim. 3:1).  Apenas temos que lembrar a buscar estes alvos pelo poder do Espírito e para a Sua glória.  

Recentemente eu tenho sentido o Espírito Santo me dizer que a auto-disciplina é um ato de esperança nas oportunidades futuras da vida.  A letargia e indulgência por sua vez são expressões do desejo de desfrutar apenas as oportunidades presentes da vida.  Quem não tem a expectativa futura em Cristo provavelmente busca crescimento indivíduo com base no medo.  O medo da morte, por exemplo, serviria como motivo forte para a pessoa que só tem a vida terrestre para curtir.  Quem vive uma vida independente de Deus precisa desfrutar os prazeres desta vida ao máximo enquanto duram, porque estes são as únicas coisas ao nosso alcance.  

Mas para o cristão buscar desenvolvimento próprio expressa esperança nas oportunidades contínuas da *vida eterna.  Nós cremos que a vida eterna já começou porque o Reino de Cristo já foi inaugurado e estamos vivendo nele.  

O rei Salomão disse, “Este é o mal que há entre tudo quanto se faz debaixo do sol; a todos sucede o mesmo; e que também o coração dos filhos dos homens está cheio de maldade, e que há desvarios no seu coração enquanto vivem, e depois se vão aos mortos.  Ora, para aquele que está entre os vivos há esperança (porque melhor é o cão vivo do que o leão morto).  5 Porque os vivos sabem que hão de morrer, mas os mortos não sabem coisa nenhuma, nem tampouco terão eles recompensa, mas a sua memória fica entregue ao esquecimento”.

Eu sou tão grato que Deus pode redimir até as nossas ambições mais egoístas.  O Senhor nos deu dons de criatividade e inteligência ao nos criar em Sua própria imagem.  Ele quer que trabalhemos para a multiplicação das nossas habilidades e conhecimento para que realizarmos o nosso chamado cada vez mais plenamente.  

A minha oração por você e eu é que o Senhor continua a nos ensinar a buscar a frutificação em nossas vidas.  E que a consequência deste florescimento impacte tudo que nos cerca: pessoas, o meio-ambiente, a sociedade… o cosmos.  Eu oro que o Senhor continue a redimir a nossa busca por desenvolvimento próprio.  Que as nossas metas de crescimento sejam manifestações de esperança no futuro que temos em Cristo.  Graças a Deus nós não precisamos mais viver como o incrédulo que teme constantemente o fato de que o tempo da oportunidade está acabando.  

Are the Important People in Your Life Happy When You Just “Be Yourself”?

Clique aqui para português

Who are the people in your life who encourage you to “be yourself”?  These are the ones whose desires for you are personal freedom to express what is best about you.  These people seem to appreciate the best of what you have to offer in terms of gifting and passion.  

Another way to look at this is tho think of those people who seem to act and feel the opposite way.  These people seem generally inclined to want to change the essence of who we are.  They might do this with good intentions thinking that our deepest sources of inspiration represent distractions or pipe dreams that will only lead to disappointment.  Maybe these people themselves are disenchanted with their own dreams.  Perhaps they see the years spent following “impractical” dreams as the wasting of the most precious commodity of time.  

Time does become more and more valuable as we progress through the phases of life.  I’m sometimes amazed at how some teenagers and people in their 20s seem to have so little urgency regarding life.  They just have an amazing ability to just “chill”, and I sincerely envy it at times 🙂

My wife is someone who has continually encouraged me to develop and share what I have of greatest worth.  My parents and grandparents have also done this throughout my life.  It is increasingly my opinion that talent, although valuable, is much more common than the relational support necessary to inspire someone to believe in their aspirations.  

Of course we can’t expect even those who love us to always approve every idea and priority we express.  My wife brings me back to earth if investing in my big picture projects equals neglect of immediate family needs.  

My dad loves to say that we all lead small lives, something I appreciate coming from a man that many would consider to lead an extraordinary life.  The life of a missionary is truly remarkable.  We have the privilege o living lives whose chapters are divided among nations that we invest in and experience deeply.  But a life of many transitions involves a huge amount of mundane logistics.  

It’s easy to lose sight of the vision God gave you when you first set out for a new international adventure.  Again, this is why I’m so grateful for those people in my life who remind me of God’s unique investment in my life, and the precious gift He wants me to be.  We just have to keep believing in His promises, investing daily in steps of obedience and staying near to Jesus our loving shepherd.  

As pessoas mais importantes em sua vida se alegram quando você é “você mesmo”?  

Quais são as pessoas que te encorajam assim, a ser a expressão mais autêntica da pessoa que Deus te criou para ser?  Estas são as pessoas que desejam que você tenha a liberdade e oportunidade de demonstrar o que há de melhor em ti.  E elas compreendem quais são estes tesouros especiais que Deus te deu para abençoar este mundo.  

Uma outra forma de analizar esta questão é perguntar quem são as pessoas que parecem pensar e agir no sentido oposto.  Estas pessoas parecem geralmente inclinadas a querer mudar a essência de quem nós somos.  Elas talvez o façam com boas intenções pensando que a nossa paixão e inspiração é apenas uma distração que só levará à decepção.  Muito provavelmente estas pessoas estão desiludidas com os seus próprios sonhos.  Talvez eles vêem os anos que gastaram investindo em projetos com a cabeça “nas núvens” como um grande desperdício de seu tempo e energias.  

Ao avançar pelas fases da vida o nosso tempo se torna cada vez mais valioso.  Eu fico impressionado com a forma que alguns jovens conseguem fazer nada por períodos extensos na maior tranquilidade.  Quando vejo eles eu sinceramente tenho inveja porque eu geralmente sinto que preciso constantemente investir meu tempo em algo prático.

A minha esposa é alguém que tem me encorajado a desenvolver e compartilhar o que há de maior valor dentro de mim.  Os meus pais e avós também.  Eu estou cada vez mais convencido de que o talento é relativamente comum mas os relacionamentos de apoio são o que mais falta para que as pessoas realizam o seu potencial.  

É claro que nós não podemos esperar que as pessoas – até mesmo as que nos amam – aprovam todas as nossas idéias e prioridades.  A minha esposa sabe me trazer de volta à terra quando os projetos “maiores” estão causando a negligência das necessidades imediatas da nossa família.  

O meu pai ama dizer que todos nós vivemos vidas “pequenas”, algo que eu admiro porque ele leva uma vida missionária que parece tão extraordinária.  A vida missionária realmente é um privilégio empolgante que envolver várias fases transculturais.  Mais as transições internacionais com sua esposa e família requerem um monte de logística chata também.  

Muitas vezes eu quero só fazer as tarefas diárias e imediatas e esquecer do quando maior da visão que Deus me deu.  É nestas horas que sou tão grato pelas pessoas na minha vida que me lembrar do investimento que Deus fez na minha vida.  O Senhor quer que eu seja um presente especial para este mundo, o que é maravilhoso seja para impactar poucos ou muitos.  Nós só temos que continuar a crer nas promessas de Jesus, a investir diariamente nos passos de obediência que Ele nos dá e a permanecer inspirados e fortalecidos na Sua presença.  

The Ultimate Goal of Discipline: to Reach a Joy that Brings Life

Clique aqui para português

Sometimes I counsel someone with a problem with addiction and it makes me reflect on how we develop good and bad habits.  Whenever I observe a vice in my life or someone else’s it clearly represents a source of pleasure used to fill a felt need.  The comforts vary from substance abuse to gambling, pornography to eating disorders – but all provide something of real value to us.  Apart from Jesus no human being has ever lived who hasn’t been seduced and oppressed by some false solace or stimulation.  

On the other hand in contrast to this are the good habits that exist both our lives and others – meditation, exercise, healthy eating, financial administration, organisation of physical spaces, etc.  Each of these represents something that generally begins with acting against our natural tendency towards laziness, selfishness, the desire for immediate gratification and avoidance of any discomfort. I say “natural” tendency as defined by the Bible: the sinful flesh.  The unbeliever is slave to the flesh but we believers have the right and power to say no to it.  But until we the redeemed receive our glorified bodies in the resurrection the struggle with the flesh is still a daily battle.  Our battle is not against the flesh by the power of the flesh but by the Holy Spirit.  Still, to yield to the Spirit is easier said that done, “The spirit is willing but the flesh is weak” (Mt. 26:41).  

The majority of good habits begin with an acting against our natural carnal preferences.  Although there are some good habits that come easily, like those people who naturally prefer fruits and vegetables over chicken fried steak with biscuits and gravy… followed by peach cobbler.  Take physical exercise for example.  From childhood to young adulthood physical exercise is often mostly or wholly a pleasure.  But from middle age on exercise is a choice to go against the desire to live in submission to gravity… to just chill and veg out on the couch.  

But so many of these habits, although perhaps not all, end up leading us to a source of joy which is also good for us.  This I feel is the best thing of all in human life: finding and developing practices that bring both joy and blessing in our lives.  And if we’re talking about “blessing”, true blessing always results in an overflow to those around us.  What could be better?  I’m experiencing joy, being blessed and blessing others at the same time… and exponentially!  

So the ultimate goal of discipline should be this: to reach a joy that brings life.  These are the life giving good habits that we both enjoy and that bring blessing to ourselves and others.  When we find these things in our lives we have to grab ahold and not let go.  In your life this might be reading books by an author that inspires you to grow in Christ and takes steps of faith.  In your spouse’s life there might be a hobby that engages their unique gifts brings and benefits your family in indirect ways.  Perhaps the way a sport or creative outlet promote your family projects is simply “recharging” emotional batteries.  The Bible even teaches us to enjoy the rewards of hard work as a fundamental aspect of leading a fruitful life: “Everyone should eat and drink and take pleasure in all his toil—this is God’s gift to man” (Ecc. 3:13).  While at the same time Scripture warns us against seeking to satisfy the flesh and its vanity (Gal. 5:16, 26).

My prayer is that the Lord teach us each day to redeem the time, not only in the sense of productive work but productive rest and recreation as well.  That we would find new sources of joy and recover those that we lost along the way.  

O Alvo Primordial da Disciplina: Alcançar a Alegria que Traz Vida

As vezes eu aconselho pessoas com vícios e isso me faz refletir em como todos nós desenvolvemos hábitos bons e maus.  Se eu estiver refletindo nos vícios na minha própria vida e na dos outros eu vejo que aquilo sempre representa uma fonte de prazer usada para suprir uma necessidade.  Estes falsos confortos variam de alcoolismo, anorexia, pornografia, etc. – mas todos fornecem algo que o indivíduo considera valioso.  E além de Jesus nunca houve alguém que não foi seduzido e oprimido por algo assim uma vez em sua vida. 

Em constraste a isso são os bons hábitos como meditação, exercício físico, alimentação saudável, boa administração financeira, boa mordomia com os espaços físicos, etc.  Cada uma destas coisas representa algo que começa contrariando a nossa tendência natural para a preguiça, egoísmo, impaciência e covardia.  

Um descrente é escravo da carne mas nós os regenerados temos a autoridade e poder em Cristo para dizer não ao pecado.  Mas até recebermos os corpos glorificados na ressurreição nós travamos uma batalha diária com a carne.  A nossa batalha não é carnal e sim depende do poder do Espírito Santo.  Mas ceder ao desejo do Espírito Santo não é fácil, “O espírito está pronto, mas a carne é fraca” (Mt. 26:41).  

A maioria dos bons hábitos começam com passos que contrariam a preferência da nossa carne pecaminosa.  Há pessoas que realmente preferem comer legumes em vez de fritura, a correr cedo de manhã em vez de comer pizza a meia-noite.  Porém mesmo as pessoas que parecem ter uma grande propesidade para o bem têm seus pontos fracos… as suas tentações peculiares.  

O que de fato é de valor primordial em nossas vidas são aquelas coisas que trazem gozo e benção no mesmo tempo… para nós mesmos e aos outros.  Quando encontramos coisas assim nós devemos reconhecê-las e priorizá-las. Talvez você goste de ler um autor cujos livros te inspiram a uma fé maior e compreensão do amor de Cristo.  Talvez o seu cônjuge tem um hobbie que não parece beneficiar a família toda, pelo menos não diretamente.  Porém é possível que liberar o seu marido para o seu “futebol” faz com que ele retorna com as energias e visão renovadas.  Talvez a sua esposa quer fazer um curso de italiano e você pensa que não tem nada a ver com as suas vidas.  Mas quem sabe quais novas oportunidades e possibilidades podem desencadear daquilo?  E você como marido realmente quer ser o limitador das fronteiras de sua esposa?  

A Bíblia nos ensina desfrutar os frutos do nosso trabalho: “poder comer, beber e ser recompensado pelo seu trabalho, é um presente de Deus” (Ec. 3:13).  Mas a Escritura também adverte a não dar prioridade exagerada aos desejos da carne e a sua vaidade (Gâl. 5:16,26).  

A minha oração é que o Senhor nos ensine a remir o tempo, não só no sentido de trabalhar mais… mas também de encontrar as fontes benéficos de deleite.  Devemos desenvolver o hábito de desfrutar destas coisas… a ter a “disciplina” do deleite.  É do agrado do nosso Pai Celestial que vivemos plenamente todas as bênçãos para as quais Ele nos chamou.  

No One Wants the New Wine Once They’ve Tried the Old

Clique aqui para Português

And no one after drinking old wine wants the new, for they say, ‘The old is better.’” (Luke 5:39)

The way Portuguese people relate to Christianity in general has caused me to reflect on my own North American culture.  An old Chinese proverb says that if you want to know what water is, don’t ask a fish (https://stephenlbaxter.com/2014/02/17/dont-ask-a-fish/).  A fish has never been out of its water environment and therefore takes it for granted as a given aspect of reality.  

Recently our family visited the Capela dos Ossos (Chapel of Bones) in the city of Évora about 1:45 from Cascais where we live.  The cavernous chapel is pretty spooky at first glance.  But as we visited several museums in the area I couldn’t help marvelling at the reverence and devotion of the city’s historic monastic communities.  To visit downtown Évora is to admire the medieval constructions of the Catholic Church that testify to the power struggle against foreign invaders.  The Moors held Évora as a capital for 3 centuries and the French invaded and robbed the churches of all but the most sacred golden and silver artefacts.  The formidable Christian architecture that tourists come to see and locals revere are a testament to the ultimate supremacy of Christian culture in the region.  

For a North American like myself it is easy to look at such structures and focus on the carnal religious glory they perhaps embody.  All the art and decor and architecture can seem like a monument to human creativity.  But as looked over the artefacts from centuries of monasticism I was impressed by the sincere devotion of these communities.  One of my children asked me what monasticism was and I explained that these people had founded communities in order to live a more pure Christian life in a time when the Church had become decadent with privilege.  

In short, I sense that the Portuguese relate to Christianity with a sense of awe.  This, inspired by the physical evidence of the ancient faith that arguably forms the single greatest source of their culture.  There is something admirable and precious here.  In contrast, I feel that sometimes in North America we think of Christianity in terms of the contemporary institutions that strive for modern relevance to the point of appearing con substantive with secular corporations.  Many Americans view the church as a business both those on the outside looking in as well as the devout themselves.  In America we read books by spiritual leaders whose clout is based on power and fame.  In Southern Europe the most famous Christians are often those who lived ascetic lives of service and devotion.  Comparison is not my objective here, but I’m happy to share the inspiration I receive from the Church in this new context God has led my family and I. 

O Vinho Velho É Melhor

E ninguém, depois de beber o vinho velho, prefere o novo, pois diz: ‘O vinho velho é melhor! ’ ” (Lucas 5:39)

A maneira que os portugueses se relacionam com o cristianismo me faz refletir sobre minha cultura norte americana. Há um provérbio antigo chinês que diz que, se você quiser saber o que é água, melhor não perguntar para um peixe. O ponto é que, um peixe nunca saiu de seu ambiente aquático, então não sabe descrever uma realidade que não seja essa. O peixe nem sequer pode imaginar um mundo que não consiste de água como elemento básico fundamental.

Recentemente, a nossa família visitou a Capela dos Ossos na cidade de Évora, que fica cerca de 1h45m de carro de Cascais, onde moramos. A princípio, eu achei a capela meio assombrada e até assustadora, mas ela faz parte de um conjunto de prédios sagrados. Hoje a maioria destes edifícios são museus que contam a história das comunidades monásticas da era medieval. Os prédios mais impressionantes do centro de Évora são igrejas católicas que testificam da vitória da cultura cristã portuguesa contra invasores religiosos (muçulmanos) e secularistas (os franceses). Os mouros governaram em Évora durante 3 séculos e, no início do século 19 os franceses invadiram a cidade roubando as igrejas de seus utensílios dourados de adoração. Neste contexto histórico pode se perceber como a arquitetura cristã que permaneceu, serve como testamento da supremacia cultural que a igreja teve na região.

Para um norte-americano como eu é fácil olhar para tais estruturas e focar na ostentação religiosa que elas parecem representar. Toda a arte e ornamentação podem aparentar a mim como um monumento não a Deus, mas à criatividade humana. Contudo, ao passar pelas exibições históricas das comunidades monásticas, eu tive que reconhecer a evidência da devoção cristã sincera. Um dos meus filhos me perguntou o que era tudo aquilo e eu tentei dar uma explicação resumida do monasticismo. Eu disse que iniciando no século 2 peregrinos cristãos solitários começaram a ir espontaneamente a lugares desertos, incialmente no norte da África e na Síria, buscando viver uma fé mais pura e simples. Já naquela época havia cristãos que sentiam que a igreja havia se corrompido com os privilégios de prestígio político e riqueza. Estes irmãos e irmãs preciosos queriam voltar à essência do evangelho.

A impressão que eu tenho é que ainda hoje os portugueses se relacionam com o cristianismo com uma sensação de reverência. Essa veneração parece ser inspirada pelos vestígios físicos daquela fé da antiguidade, da qual talvez provem a maior fonte da cultura portuguesa, ainda em pleno século 21. Eu creio que aqui há algo admirável e precioso na cultura portuguesa. Em contraste, eu sinto que na minha cultura Norte Americana, ás vezes nós pensamos no cristianismo manifestado nas instituições contemporâneas. Estas igrejas, organizações missionárias e diversos ministérios se esforçam com muito zelo para serem relevantes no mundo contemporâneo, ao ponto de parecer quase idênticos às entidades seculares.

Muitos Norte Americanos – tanto crentes quanto não crentes – vêem a igreja como um negócio. Nós lemos livros por líderes espirituais cujo know how se baseia no poder e fama. Em contrapartida, aqui na península ibérica os cristãos mais famosos geralmente são os santos – a maioria da antiguidade – que viviam vidas de serviço e devoção a Cristo. O ponto fraco aqui seria talvez o foco demasiado na expressão cristã do passado, mas mesmo assim há muitas características admiráveis nesta tradição histórica.

O meu objetivo aqui não é comparar, mas simplesmente compartilhar a inspiração espiritual que tenho recebido da igreja no novo contexto para onde o Senhor tem conduzido a minha família e eu. O nosso desejo e oração é poder de alguma forma – seja quão pequeno for – somar com a obra do Reino de Deus que já vem sendo feita aqui desde quando a minha cultura nativa ainda nem existia.

I’m Pretty Great, As Long As…

Clique aqui para Português

Ever heard the saying, “Better to be thought a jerk than to open your mouth and remove all doubt”? That’s one I’ve tried to take to heart over the years. This week our family started a major schedule shift as Portugal reopened schools. For the past month classes have been online which was a buffer for our kids getting used to the Portuguese accent, quite different than Brazilian. In order to to avoid crowding classes are staggered in a way that Kati and I have to drive to the school 4-6 times a day (x2 back and forth). So Kati and my schedule is having to be completely rethought.

The whole situation has reminded me how my selfishness lies undetected as long as the status quo remains the same. I have a strategic mind and am quite capable of negotiating situations with my wife, kids and colleagues so as to extract maximum benefit for myself. I’ve learned the art of the strategical retreat when it best serves my long-term goals. I’d like to think that even those closest to me, such as my wife and kids, are not aware that this type of game of chess goes on daily. But my hunch is that they are generally aware when I’m trying to corral things so they flow in the most convenient direction for your’s truly.

My wife and I are both highly trained in the area of personal development having trained missionaries and church leaders for the past 28 years. We both know how to finely tune our lists and diagrams of projects and vision. But I’m the one who obsesses over this on a daily basis. And it’s amazing how magnanimous and gracious I can appear to others under the right circumstances. When it’s all systems go for the machinery of my plans I can be flexible and servant hearted. I can feel pretty satisfied with myself and think I’ve really achieved maturity.

But then something like kid’s school restarting that reveals the same old selfish David. Suddenly I have less “me time” and my mind sets off problem solving how to get back to “normal”.

Our comfort zones are so comfy aren’t they, there just so great! But thank God for change that brings us back to an honest perspective of who we are. I still need to grow a whole lot in having a genuine servant heart and others-focused life. In the Sermon on the Mount Jesus spoke of those who do good works to receive status among men. My prayer for my brothers and sisters in Christ and I is that we rejoice when we have to reschedule, reorganize and re-prioritize.

It’s like needing to change your workout to engage new muscles. If we just do the same exercise routine day-in day-out we appear in much better shape than we really are. When we learn to do only specific movements it exaggerates the impression of strength. So let’s thank God for when we have to learn new moves that will bring real gains into our spiritual life.

Sou Uma Pessoa Muito Boa, Enquanto…

Há um ditado em inglês que diz, “É melhor que as pessoas te achem um egoísta do que abrir a sua boca e tirar qualquer dúvida”. Esta semana a nossa família começou uma fase de transição com a reabertura das escolas das crianças. Para evitar a transmissão da virose Covid 19 os horários das crianças são intercalados. O resultado é que eu e a Kati temos que ir à escola 4-6 vezes por dia (x2 ida e volta). Isso representa um alteração significativa no nosso ritmo diário.

Essa situação me lembra de como o meu egoísmo jaz despercebido debaixo da superfície do meu ser enquanto nada vem perturbar a minha rotina. Eu sou bom em negociar situações com a minha esposa, filhos e colegas de trabalho para extrair o maior benefício possível para mim mesmo. Eu até sei como recuar em certas situações para poder alcançar objetivos maiores no longo prazo. Provavelmente engano a mim mesmo se eu pensar que as pessoas mais próximas de mim – principalmente a minha esposa e filhos – não estão cientes deste jogo de xadrez diário.

É impressionante como eu posso parecer uma pessoa magnânima se as circunstâncias colaboram para isso. Quando as coisas caminham geralmente em direção à realização dos meus objetivos eu sou uma pessoa calma e tenho tempo para ajudar as pessoas se uma necessidade surgir. Quando eu sinto que o dia está sendo produtivo eu não me incomodo tanto com as interrupções e imprevistos. Nessas horas posso sentir que eu estou realmente alcançando a maturidade em Cristo.

Mas aí algo sempre acontece que me traz de volta à terra e a realidade do meu egoísmo. Como é o caso atualmente na volta dos meus filhos às aulas e a necessidade de eu e a Kati reorganizar toda a nossa logística familiar.

Nossas comfort zones (“zonas de conforto”) são tão gostosas não é, como eu amo quando nada me incomoda! Mas graças ao Senhor pelas mudanças diárias que nos conduzem de volta à uma perspectiva coerente de nós mesmos. Posso declarar com toda a certeza de que eu sei que preciso crescer muito no caráter do discípulo de Cristo. Ter que reorganizar as nossas vidas pode ser como fazer uma nova rotina de exercício. As vezes nós estamos acostumados a fazer o mesmo treino durante muito tempo. Podemos nos sentir fortes e velozes porque só nos limitamos a certos movimentos específicos. É quando passamos a fazer um treino novo que vemos que não estamos em boa forma tanto quanto pensávamos.

A minha oração para você e eu é que podemos aprender a nos regozijar com as transições e “incômodos” da vida. Vamos dar Graças ao Senhor quando temos que aprender novas manobras que vão trazer grandes ganhos à nossa vida espiritual.

We Love to Exhort People According To Our Latest Priorities

Click here for Portuguese

I feel like during the pandemic I’m obsessing on some things at home that are driving my family crazy. With so many things outside of my control I latch on to what I can control. All I can say is it makes me feel good, but I’m sure there’s a clinical psychological term for this, obsessive compulsive perhaps.

I’ve really been getting on everyone’s case about eating healthy, at certain moments, at others I’m being a total hypocrite by binging on unhealthy goodies. I try to get the kids out of the house to get some exercise too, since they’re cooped up all day doing school online. It’s reasonable enough for a father to encourage and even force his kids to turn off the screens and go for a walk. But today my youngest daughter said I was being too harsh about all this.

Initially I pushed back but after some thought I had to agree with her. One’s exercise routine and eating habits are some things we can still control during the pandemic. For many people the past year has been an opportunity to develop good habits, for others bad habits. But what strikes me is the fact that my current priorities are just that – current – and not representative of me a year ago, 5 years ago, 10 years ago, etc.

A word for what I’m talking about: preachy. We love to exhort people about things that are currently a priority even though so often they represent a novelty in our lives. Christians do this in relation to spiritual disciplines such as prayer, Bible reading, service, giving, etc.

The Bible does teach us to “Stir up one another to love and good works” (He. 10:24), and states that “Iron sharpens iron, and one man sharpens another” (Pv. 27:17). There are many Bible verses about the benefits of exhorting one another in the spirit of love we see in Jesus.

And it makes sense that we will encourage others out of the passion of what the Father is doing in our lives at any given moment. My encouragement to us today is simply that we let our own track record temper the way we talk to others about developing good habits and avoiding bad ones. It is often the case that a short while ago we were poor examples of what we are currently preaching to others.

My prayer is that the Father teach us to keep “Speaking the truth in love,” so that we will, “Grow to become in every respect the mature body of him who is the head, that is, Christ” (Ep. 4:15). It’s not that we need to muzzle ourselves, we just need to remember that ultimately Christ is the hero and reference. Exhorting each other is simply pointing to Jesus and seeking to grow in grace. He leads each of us according to a different timetable. Thank goodness the Father doesn’t work on every area we need to grow in at once 🙂

Amamos Exortar os Outros em Relação às Nossas Prioridades Atuais (que chato né?)

Eu sinto que em meio à pandémica eu tenho ficado obcecado por algumas coisas em casa ao ponto de irritar a minha família. Com tantas coisas fora de meu controle talvez eu tenho lançado mão das poucas que eu ainda posso.

Por exemplo ultimamente tenho cobrado todo mundo aqui em casa a respeito da alimentação saudável. Engraçado como logo depois eu ajo completamente contrário àquilo que acabei de dizer. Por exemplo ontem a tarde eu e a Laura fizemos brownies. Eu comi só um pouco e talvez a Kati e as crianças admiraram o meu domínio próprio. Porém a noite quando ninguém estava perto eu comi uns 3 brownies quando todo mundo já tinha deitado. Não sei porque mas é a noite que me dá vontade de extrapolar assim.

Também tenho obrigado as crianças a irem fazer caminhada comigo. A princípio penso que isso é bom, mas tenha a impressão de que todo mundo está me achando um pouco exagerado.

O que eu acho interessante é que alguns dos bons hábitos que estou tentando incentivar as crianças a praticarem são relativamente novas na minha vida. As disciplinas que tenho focado em desenvolver em 2021 são muito diferentes àquelas de 2020, 2015 ou 2010.

Eu vejo que nós gostamos muito de exortar as pessoas a praticarem aquilo que é prioridade atual em nossas vidas. Os cristãos fazem isso em relação às disciplinas espirituais como a oração, leitura bíblica, serviço na igreja, evangelismo ou generosidade. Não é errado encorajar os nossos irmãos a praticar o que nós estamos praticando. Mas devemos lembrar que pouco tempo atrás talvez as nossas vidas eram um exemplo muito fraco daquilo.

A Bíblia nos ensina a “Considerarmos-nos uns aos outros para incentivar-nos ao amor e às boas obra” (He. 10:24). E em Provérbios lemos que, “Assim como o ferro afia o ferro, o homem afia o seu companheiro” (Pv. 27:17).

Faz sentido que nós exortaríamos aos outros da paixão que vem daquilo que Deus está fazendo em nossas vidas atualmente. A minha oração é que o Senhor nos ensine a fazer isso de forma humilde e compreensiva em relação à realidade de quem nós somos. John Calvino disse que a fé cristã se resume em duas coisas: conhecer a Deus e conhecer a nós mesmos. Creio que a humildade se encontra nesta compreensão própria. Vamos lembrar o quanto que Deus tem sido gracioso no processo de nos conduzir à maturidade. Então poderemos encorajar o nosso próximo sem distorcer a imagem de Cristo e nos tornar hipócritas.

You Cannot Be The Bow And The Arrow

Clique aqui para português

I was talking to my dad yesterday about a missions leader. My dad suggested that I could help him network and open some doors of relationship for him in the circles I frequent. Dad said, “You can’t be the bow and the arrow at the same time”. I thought that was a really good illustration about how we need someone else to promote us versus self promoting. I looked for the phrase online and couldn’t find anything, so maybe a John Dawson original? It wouldn’t be the first, my dad is quite a wordsmith always able to paint verbal pictures that encapsulate truths.

When I think about what has enabled me to still be in ministry after 27 years it really is the fact that I stand on the shoulders of those who went before me. So often people will remind me how blessed I am with the spiritual heritage I have, and I have to agree 100%. To this day doors open for me because of my family’s reputation whether I’m in South America, The U.S. or now in Europe. You’d think that this would give me a heart to advocate for those who are looking for open doors to serve the Lord. But unfortunately I have to admit that my selfishness often leads me to only worry about investing in opening doors for myself.

It takes an altruistic heart to be a man of peace, someone who opens doors for others when the urgent matters of your own life want priority. I can’t think of a single day in recent memory where my natural inclination wasn’t to think my own needs were sufficient to occupy 100% of my energy. I have no problem filling a day with my own pursuits.

A lot of times people think of mentoring as only the transmission of information, or a psychoanalytic approach focused on listening. But my mentors have been people who opened doors of opportunity in very practical ways – inviting me to meetings, introducing me to key people, lending me equipment and making financial donations.

Proverbs 27:2 says, “Let someone else praise you, and not your own mouth; an outsider, and not your own lips.” And so much more fruitfulness for Christ’s Kingdom will be produced if we develop mutual-promotion partnerships. Now it may sound like I’m suggestion turning altruism into selfishness, and perhaps that is a danger. But I don’t think it’s wrong to promote others knowing that sowing seeds of love tends to yield fruit for the sower, it’s a spiritual principle like giving and receiving.

My prayer is that the Lord give us more of His heart for each other each day, to seek to see my brothers’ and sisters’ dreams fulfilled. Hopefully as I mature in Christ categories of your dreams and my dreams will become less and less evident. And I will truly, “Rejoice with those who rejoice” (Rm. 12:15).

Você Não Pode Ser Arco e Flecha no Mesmo Tempo

Outro dia eu estive conversando com o meu pai sobre um líder missionário que conhecemos.  Meu pai sugeriu que eu podia ajudar aquele senhor apresentando ele para algumas pessoas que poderiam lhe ajudar.  Ele me disse, “Você não pode ser o arco e a flecha no mesmo tempo”.  

Certamente o que tem me mantido no ministério pelos últimos 27 anos é a família espiritual que o Senhor me deu.  As vezes por causa do meu orgulho eu não gosto de ouvir as pessoas me disserem o quanto que eu sou abençoado pela herança espiritual que eu tenho.  Mas a verdade é que até hoje, aos 44 anos de idade, portas continuam a serem abertas a mim por causa de quem são os meus pais, avós e tios.  

Seria lógico então que eu teria um coração generoso para com os outros neste sentido.  Pelo tanto que eu tenho beneficiado da influência benevolente dos outros eu deveria querer repassar a mesma àqueles em minha volta.  Porém infelizmente muitas vezes sou egoísta e perco oportunidades de promover os meus colegas de ministério que estão buscando realizar os chamados deles.  

É claro que todo dia a nossa tendência é de só pensar em nós mesmos.  Afinal todo dia tem projetos e necessidades nossos o suficiente para ocupar todo nosso tempo.  

Hoje em dia a grande indústria de agências de consultoria de coaching e mentoria se baseia na necessidade relacional das pessoas.  As pessoas não precisam de relacionamentos só de falar e ser ouvido.  Mentores são pessoas que podem abrir portas de oportunidade, emprestar equipamentos, fazer doações financeiros, etc.  

Provérbios 27:2 diz, “Que outros façam elogios a você, não a sua própria boca; outras pessoas, não os seus próprios lábios.”  Quanto mais fruto seria gerado por nós se investimos mais em promover uns aos outros.  Até nós mesmos seríamos beneficiados por este comportamento. Este princípio funciona como o dar e receber, que é uma lei do Reino de Cristo.  Funciona.  

A minha oração é que o Senhor nos dê um coração voltado para os sonhos dos nossos irmãos.  Que o sinal do nosso amadurecimento seja a crescente agilidade de “Nos regozijar com aqueles que se regozijem” (Rm. 12:15).